domingo, 20 de abril de 2008

BASTILHA MON AMOUR

O BASTILHA é um bar,
Um bistrô, um café?
Quiçá um olhar
À (Rive) Gauche de ser,
Approche entre o
Diz-huitième e este fin du siècle
O Bastilha é a folie de Lukas
As luzes de Lutchia?
Quem sabe o Café de Flore
Com toda aquela magia
Ou mais o Bastilha pós-modernista
Com os baratos de pintores
Poetas, estilistas
Atores, cineastas, jornalistas
Ou o Dionisíaco pouso
De Orlandos futuristas?

2 comentários:

Ígor Lopes disse...

Adorei seu blog, muito conteúdo, bem organizado e com poesias belíssimas.
Parabéns...

Frederico Barbosa disse...

Vamos fazer uma corrente para que nossos trabalhos sejam bem divulgados, temos que nos unir em prol de nossas publicações, pois, é um trabalho árduo!!!